• Qual receita você está procurando?

  • Canjiquinha com costelinha defumada – Lembranças com água na boca

    Chef Taico

    Receita: Canjiquinha com costelinha defumada – Chef Taico

    Tempo de preparo: 02:30h | Serve 08 pessoas

     

    Ingredientes:

    • 500g de canjiquinha (quirera) de milho.
    • 1,5 kg de costelinha defumada em pedaços.
    • 01 colher de chá de colorau (urucum).
    • 01 cebola picada.
    • 06 dentes de alho inteiros.
    • 01 colher de sopa de banha de porco.
    • Folhas de couve rasgadas.
    • 02 folhas de louro.
    • Limão rosa.
    • Sal e pimenta.

     

    Modo de preparo:

    1. Demolhe a canjiquinha por pelo menos 02 horas.
    2. Em uma panela, derreta a banha, adicione a cebola e o alho e refogue rapidamente.
    3. Junte a canjiquinha sem escorrer e mexa bem.
    4. Assim que começar a secar adicione a costelinha e mexa bem.
    5. Adicione água até cobrir, adicione o colorau, pimenta e as folhas de louro.
    6. Cozinhe até que tudo esteja macio.
    7. Adicione as folhas de couve e assim que murcharem sirva.

    Receba esta receita no seu messenger


    Patrocinador:

    Logo Moveis Brasilia

     

    Apoio:

    Logo Visocenter fundo branco

     

    Logo Espaço do Chef

     

    Logo irmãos furuta

     

    Logo Onix

    Logo Alho Mania png


    Crônica: No calor da lenha

     

    Uma mão destramela a porta, na outra mão a luz do lampião adentra a grande cozinha reluzindo no chão de vermelhão muito limpo.

    No canto oposto ainda resta uma brasinha muito tímida na fornalha do fogão, lenha seca e boa que por ali queimou lentamente a noite toda e que agora vai renascer com um pouco de palha e varas secas.

    A fumaça fica mais intensa e sobe com o calor que faz pingar as linguiças e as costelas de porco levemente salgadas que descansam, maturam e pegam sabor penduradas sobre o fogão.

    O galo canta pela primeira vez, é a lua quem domina o céu e ainda falta um bom tempo pro sol aparecer.

    O fogo já estrala e chapisca aquecendo a chapa de ferro fundido que rapidamente é limpa e escovada para em seguida serem ajeitadas a panela com água e a panela com banha, e tudo vai aquecendo…

    Tum, tum, tum, no pilão o milho é quebrado até virar canjiquinha. Neste tempo a água ferve e a banha aquece no cantinho do fogão.

    Temperos na banha, cebola, alho, urucum e em seguida a canjiquinha. Tudo muito bem mexido. A faca escura de uso mas com o fio reluzente passa pelas costelinhas separando alguns pedaços que são colocados com a canjiquinha e muito bem refogados, agora é água para cozinhar e panela que tampada vai mais ao fundo do fogão pra cozinhar sem queimar.

    Agora o sol já pinta o horizonte avermelhado.

    Enxadas, peneiras, garrafas com café e muita coragem pra muito trabalho.

    Lá pelas dez, a fome aperta. Corpo encostado num grande tronco aproveitando a sombra, do embornal sai a marmita, e na marmita o almoço se apresenta; Canjiquinha de milho com costelinha defumada.

    Sabor na boca, força nos braços e alegria na alma.


    + Lembranças:

     

    Arroz com carneiro – Lembranças com água na boca

    Polenta com molho de linguiça – Lembranças com água na boca

    Arroz carreteiro – Lembranças com água na boca

    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Banner Livros Digitais