Feijão Gordo – Lembranças com Água na Boca

Chef Taico

Receita: Feijão Gordo

Tempo de preparo: 01h | Serve 05 pessoas

 

Ingredientes:

  • 500g de feijão rosinha demolhado
  • 01 kg de barriga de porco em cubos
  • 02 colheres de sopa de banha de porco
  • Folhas de couve rasgada
  • 04 folhas de louro
  • 04 dentes de alho
  • 01 cebola picada
  • Sal e pimenta

 

Modo de preparo:

  1. Na panela de pressão, derreta a banha e adicione a barriga de porco temperada com um pouco de sal e pimenta.
  2. Doure lentamente até ficar bem dourado, mas sem queimar.
  3. Amasse o alho com a cebola e um pouco de sal e pimenta.
  4. Junte o tempero amassado e refogue até ficar transparente.
  5. Coloque o feijão e as folhas de louro na panela e adicione o triplo de água.
  6. Cozinhe por 15 minutos sob pressão. Retire a pressão, confira se está no ponto, se não cozinhe um pouco mais.
  7. Adicione as folhas de couve e misture bem.
  8. Sirva com uma boa farinha de mandioca.

Receba esta receita no seu messenger


Curso básico de cozinha - clique aqui


Patrocinador:

Logo Moveis Brasilia

 

Apoio:

Logo Visocenter fundo branco

 

Logo irmãos furuta

Logo Alho Mania png


Crônica: Sustento

O cafezal subia e descia pelas colinas até se perder no horizonte…

Nas baixadas, organizadas, casinhas de peroba se equilibravam sobre pequenos pilares de tijolos. Enfileiradas eram muitas, avizinhadas com a tulha, o terreirão, a Igrejinha entre outras construções que compunham a paisagem das “Fazendas de café”.

Planta perene e sazonal, a lavoura de café tinha os seus tratos culturais durante todo o ano, isto movimentava meeiros, porcenteiros, assalariados e diaristas entre as enormes ruas que dividiam longas fileiras de árvores cafeeiras.

Nestas ruas, os colonos plantavam o milho, o arroz e o feijão que na terra forte e regada por constantes chuvas, produziam em quantidade.

Estes cereais eram colhidos, secos, debulhados e abanados, tudo pelas mãos fortes e grossas da labuta infinita do campo.

Guardados em sacos brancos estocavam o armazém o que trazia paz e tranqüilidade em tempos de pouca ambição.

Quando o galo cantava o fogo já estava aceso, a lenha nova estralava e fumegava por toda a cozinha. Os pedaços de barriga já fritos saiam da lata de banha e iam pra panela que aquecida recebia alho, cebola, sal e pimenta. Depois de tudo muito bem refogado vinha o feijão demolhado e água fervente. Feijão novo, logo se apresentava macio com caldo cremoso na cor e na consistência. Algumas folhas de couve rasgadas junto a colheradas de farinha de mandioca finalizavam a “bóia”.

Lá pelas dez da manhã, depois de muito serviço a fome apertava bastante.

Sentados à sombra, ladeados por árvores de café e plantas de feijão fazia-se a refeição; Na pequena caçarola o “Feijão gordo” fazia salivar.

Colheradas que sustentavam os braços fortes que carpiam, semeavam, roçavam e colhiam o sustento do país.


+Lembranças:

 

Bife a Rolê – Lembranças com Água na Boca

Frango Mexido – Lembranças com Água na Boca

Lombo de panela – Lembranças com água na boca


 

Conheça a Escola de Gastronomia do Chef Taico na internet: www.escoladocheftaico.com

Acesse centenas de outras receitas no Blog do Chef Taico, todas com vídeo demonstrando o preparo + a receita escrita, clique aqui:

Inscreva-se no nosso canal do youtube, e receba todas as novas receitas – clique aqui:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba a receita no messenger